terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Expedição Mares e Morros 2015 - Dias 15 e 16

Expedição Mares e Morros 2015 – São Paulo, Rio de Janeiro, Espirito Santo, Bahia e Minas Gerais

3 amigos, um Troller e 21 dias pelas estradas do Brasil.

Dia 15 – 18/7 Lençois







Acordamos cedo e seguimos para a Gruta da Pratinha. Nada muito difícil, existem placas mostrando o caminho. A gruta não fica no parque nacional, mas é um dos lugares mais legais para conhecer. Ela fica dentro de uma propriedade particular e é bem cuidada pelo dono. A estrutura lá é ótima. Fizemos algo que eu tinha ficado com muita vontade de fazer da última vez, que é a flutuação por dentro da gruta. Nunca tinha nadado em caverna, e me deu uma vontade absurda de mergulhar em caverna. A luz e a cor da água fazem uma mistura muito bonita. Na saída da gruta parece que você entra em um aquário, tamanha a quantidade de peixes e visibilidade. Saimos da Pratinha após o almoço e fomos para a Gruta Azul. Da última vez eu não tinha visto o sol bater dentro da gruta (ele só ilumina a caverna alguns meses do ano). Mas por alguns segundos conseguimos ver o sol iluminando a água e foi muito legal, pena que durou muito pouco. Aproveitando o tempo fechado, fomos visitar a Gruta Lapa Doce, que fica a uns 30 minutos da pratinha. A parte mais impressionante é a entrada. Lá dentro, uma caverna sem muitos desvios, pouca emoção ( o teto é muito alto). Saímos da gruta e não conseguimos ter tempo de chegar no Morro do Pai Inácio para ver o pôr-do-sol. Ficou para outro dia. Aproveitamos para dormir cedo porque o objetivo do outro dia era ousado.


Quilometragem:  114km
Estrada: Asfalto razoável com alguns buracos nas curvas. Muitos caminhões. Estrada de terra em boas condições.
Repouso: Pousada e Camping Lumiar

Dia 16 – 19/7 Lençois









Acordamos cedo, tomamos café e passamos no mercado para comprar um almoço leve. Atum enlatado é uma ótima opção. O objetivo era chegar a cachoeira da fumaça. Não tínhamos guia, então tivemos que ir por instinto. Pela estrada  é fácil de se achar, só entrar sentido Palmeiras e ir até Passagem. Estacionamos o carro e seguimos sentido parque nacional. Era a primeira vez que eu entrava por esse lado do parque. Antes da trilha um ponto de apoio que deixamos nossos nomes e seguimos. Pegamos neblina e chuva no começo da trilha. O começo da caminhada é puxado, afinal temos que subir o paredão até o topo da chapada. Logo quando acabamos a subida o céu abriu. Maravilha, porém a trilha estava encharcada, difícil em alguns pontos. Chegamos perto da hora do almoço no nosso ponto de objetivo, a Cachoeira da Fumaça. A queda de 340 metros de altura era fantástica, a cachoeira estava bem cheia e o vento molhava as pessoas do primeiro mirante. Almoçamos com aquela vista e brincamos na pedra do mirante, onde você fica literalmente de cara com o vale da cachoeira, próxima vez preciso fazer o trajeto por baixo (3 dias de trilha). Não enrolamos muito na cachoeira porque eu queria ver o pôr-do-sol no Morro do Pai Inácio. Saímos puxando o passo pela trilha (o Murilo sofreu um pouco) e conseguimos fazer ela em aproximadamente uma hora. Colocamos as botas para secar e seguimos para o morro. Chegamos na hora certa e conseguimos subir tranquilos, achar uma boa posição e curtir o pôr-do-sol. Descemos quando já estava ficando escuro e voltamos para Lençois. A noite comemoramos o grande dia com uma merecida cerveja e dormimos para nos prepararmos para a estrada.


Quilometragem:  144km
Estrada: Asfalto razoável com alguns buracos nas curvas. Muitos caminhões. Estrada de terra em condições razoáveis.
Repouso: Pousada e Camping Lumiar

Nenhum comentário:

Postar um comentário