segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Expedição Marrocos 2015 – Sexto Dia

O sexto dia começou com uma novidade, podíamos acordar mais tarde. O nosso deslocamento não foi muito grande, por isso não havia a necessidade de madrugar – sempre bom em expedições ter uns dias para descançar um pouco mais e recuperar as energias.


Saimos de M’Hamid e logo caimos na areia. Pegamos uma antiga rota do Dakar africano sentido oeste, mais precisamente Foum-Zguid. Após um trecho de areia dura e pedras, fomos chegando mais fundo no deserto e encarando terrenos mais difíceis.


Paramos para conhecer o oásis Sacrée, ponto de apoio para viajantes do deserto e seguimos pelas trilhas do deserto de Erg Chegaga. Passamos pelo terreno chamado de fesh-fesh. Esse terreno é de uma areia muito fina, como um pó-de-arroz, muito fofo e profundo. Atolar nesse terreno é muito fácil, e sua aparência esconde a dificuldade que é transitar sobre ele, então tomamos cuidado e seguimos nosso carro guia pela trilha. O menor desvio de rota já apresentava a dificuldade do solo. Impressionante como os pilotos conseguem acelerar por esse piso, precisa realmente de muita técnica.


Como tínhamos cancelado nossa hospedagem nas tendas Bivouac, decidimos nesse dia fazer nosso almoço nas tendas para que todos pudessem conhecer como funciona esse tipo de alojamento.



Antes disso, paramos para andar por algumas dunas e tirar fotos, mas todos decidiram se divertir um pouco também com os carros. Boas imagens, sorrisos nos rostos e paramos para comer.




Após o almoço seguimos para o lago Iriki, para contemplar suas miragens e poder andar livremente de carro por toda a sua extensão. Brincamos e acabamos gastando mais combustível do que devíamos. Alguns tiveram até que pegar emprestado um pouco de diesel do grupo.


Seguimos após o lago por uma trilha com muitas pedras. Pedras grandes e pontudas, que nos impediam de manter uma velocidade elevada. As chuvas lavaram muito a areia do solo, deixando para trás as pedras. Com pouco combustível, fomos mansos até chegar no nosso destino. No final da tarde o sol voltou a brilhar, o que significa que a tempestade finalmente cessou e que teríamos uma noite tranquila.




Passamos a noite no hotel Bab Remal, que imita um pouco as tendas Bivouac. Tivemos um bom jantar e fomos dormir cedo. O último dia com os carros será de um longo deslocamento até marrakech e precisamos acordar de madrugada.

Um comentário:

  1. QUE SONHO ..
    UMA VIAGEM DESSA FICARA PARA SEMPRE NA MEMORIA PARABENS NOS ENCHE DE ORGULHO


    ResponderExcluir