terça-feira, 30 de setembro de 2014

Capítulo 5 - Rádio Comunicação

Em qualquer atividade em grupo, a comunicação entre os participantes é muito importante. No fora de estrada a importancia cresce e a dificuldade também. Afinal, nem sempre estamos próximos para passar alguma informação com clareza e muitas vezes a falta dessa informação pode gerar problemas.

Os serviços de rádio comunicação vieram para solucionar esse problema. Um dos equipamentos, digamos essenciais, para se ter em um veículo fora de estrada é um rádio comunicador. Porém a escolha do tipo de aparelho dependerá da sua utilização. Desde os aparelhos mais simples até os mais sofisticados as opções são muitas, mas não o tipo de rádio difusão.

Não vamos entrar em características técnicas, mas na utilização de cada serviço.

Rádio PX:
Conhecido também como Serviço de Rádio Cidadão é a modalidade de operação mais popular. A facilidade na instalação e na obtenção de licença para operação torna essa uma boa opção. A preferida dos caminhoneiros, ajuda muito em trajetos longos pelas estradas brasileiras.

Rádio PY:
Serviço de rádio comunicação mais completo a disposição do cidadão comum. Para conseguir a licença de operação é necessário fazer um curso preparatório e saber o código fonético e o código Q. Dependendo da licença, a prova pode ser bem complicada. O melhor modo de se comunicar durante uma trilha. Funciona em conjunto com os rádios HT.

Celular via Satélite:
Uma opção diferente. Como funciona bem somente a céu aberto, considere ele como uma última opção em trilhas fechadas, cânions, vales, etc.

Talk About:
Uma opção barata, mas sofrível. O rádio é muito fraco com obstáculos a frente. A bateria não tem uma vida longa e provavelmente te deixará na mão quando você mais precisar.

As provas necessárias para utilizar rádios comunicadores são obrigatórios, mas muitos nunca nem estudaram para elas. Digamos que para quem usa somente em trilhas ou rallys com sua frequência fechada, a prova não é uma necessidade.

Para facilitar a comunicação via rádio, foram inventados alguns códigos para os usuários. O código fonético e o código Q. Existe também o código de numerais, mas esse não precisa uma explicação aprofundada por apenas tratar os números como numerais e o zero como negativo.

Código Fonético:

O código fonético facilita na transmissão de nomes e dados técnicos. Geralmente utilizado nas transmissões com baixa qualidade de sinal.

A - Alfa
B - Bravo
C - Charlie
D - Delta
E - Echo
F - Fox
G - Golf
H - Hotel
I - India
J - Juliet
K - Kilo
L - Lima
M - Mike
N - November
O - Oscar
P - Papa
Q - Quebec
R - Romeo
S - Sierra
T - Tango
U - Uniform
V - Victor
W - Wiskie
X - X-Ray
Y - Yankee
Z – Zulu

Código Q:

O código Q foi inventado para uso das forças armadas e depois se espalhou para outros serviços. Foi inventado para se utilizar via código morse, mas a facilidade o manteve nas conversas via rádio. Sempre composto de 3 letras sendo a primeira a letra Q (dai o nome). A lista dos códigos Q é extensa, mas pode ser resumido na lista abaixo.

QAP  - Permaneço na freqüência determinada
QRA - Qual é o nome do operador
QRG - Qual é a freqüência/canal de operação
QRM- Sua transmissão está com interferência de outras estações
QRN - Sua transmissão está com interferência por efeitos atmosféricos (estática)
QRO - Aumente a potência do transmissor (p/radioamadorismo)
QRP - Diminua a potência do transmissor (p/radioamadorismo)
QRT - Encerramento da transmissão
QRU - não tenho mensagem
QRV - Estou à disposição
QRX - Aguarde próximo contato
QSA - Qual é meu nível de sinal?
QSB - Sua transmissão está com desvanecimento de sinal (fading)
QSJ - Dinheiro
QSL - Mensagem entendida
QSY - Mudar para freqüência/canal
QTC - Tenho uma mensagem p/ você
QTH - Qual é a localização exata?
QTI - Qual é a localização aproximada?
QTR - Qual é o horário?

Voltar ao guia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário